Associação de jornais
regionais e de bairro do Brasil

Sede própria: Rua Major Diogo, 622

São Paulo/SP. Brasil CEP: 01324-000.
Telefone:: 3862-7054.Email:
presidente@ajorb.com
 Site:
www.ajorb.com  - CNPJ: 051.750.958-0001/30

A

JOR

B

*Desde 1.971*

 

 

São Paulo, 21 de novembro de 2020

Ilmo. Sr.
Dr. Thiago Massicano
Praça Sílvio Romero, 55 – 4º andar, sala 47
Email: atendimento@massicano.adv.br

03223-000-São Paulo-SP

Em atenção à sua notificação, preliminarmente, informo que tenho algumas divergências com esse grupo, na sua maioria contatos de publicidade, que se arvoram em diretores de jornais:
1ª – Não concordei que desejassem vender a sede da Ajorb para dividir o produto da venda entre eles;
2ª – Não concordei que desejassem transformar a Ajorb num grupo econômico, com a finalidade de difamar os demais jornais de bairro e, com isso, terem expectativa de conseguir anúncios governamentais somente para o grupo.
3ª – Não concordei que a diretoria, ilegalmente, se formasse na sua maioria de contatos de publicidade e não de diretores de jornais.
Em assembleia geral, à qual foram convidados todos os diretores de jornal de bairro de São Paulo, se decidiu apenas mudar o nome da entidade para Ajorb-Associação de jornais regionais e de bairro do Brasil, atendendo antiga reivindicação de muitos diretores de jornais de diversas cidades brasileiras.
Esse grupo, agindo de má-fé, e, mantendo o objetivo de vender a sede do jornal e dar destino incerto e não-sabido ao apurado na venda, bem como continuar a difamar os demais jornais nas agências de publicidade, passou a utilizar o extinto nome da Ajorb para se apresentar com ares de seriedade.
Atendendo a pedido de meu advogado, solicito de V. Sª a gentileza de complementar a notificação:
1º - junte cópia da ata que elegeu a diretoria desse grupo, inclusive o edital de convocação para essa assembléia, publicado em veículo, que circula em toda a cidade de São Paulo e não apenas em um só bairro.
2º - junte prova de que todos os diretores da entidade são diretores de jornal e não CLT ou contato autônomo de publicidade.
3ª – Anexe cópia da procuração para se saber se quem a outorgou tem poderes para isso.
Por fim, não consegui entender o motivo de V.Sª falar em retomado do imóvel, já que a Ajorb já tem a total posse, de fato e de direito, desse imóvel.
Gostaria de saber se V.Sª é diretor de jornal ou contato de publicidade e se também faz parte desse grupo, que tenciona vender a sede da entidade.
Há algum tempo atrás, o Dr. Silvio Machado, advogado, que era diretor da Gazeta de Vila Formosa, também me fez diversas notificações com o mesmo objetivo: tentar legalizar a venda do imóvel.
Sequer respondi, seguindo orientação de meu advogado, porque sabia de sua intenção de ter facilidade de vender a sede da Ajorb, que foi comprada com muito sacrifício e trabalho e não pertence a um grupo, mas sim a todos os jornais de bairro de São Paulo, que direta ou indiretamente colaboraram financeiramente para aquisição desta sede própria.

Antecipo meus agradecimentos pela atenção dispensada.

Egydio Coelho da Silva – Presidente
Telefone: 11-9 9933 1770

 

 

Associação de jornais
regionais e de bairro do Brasil

__________

Sede própria: Rua Major Diogo, 622

São Paulo/SP. Brasil CEP: 01324-000.
Telefone:: 3862-7054. Site: www.ajorb.com

CNPJ: 051.750.958-0001/30

A

JOR

B

*Desde 1.971*

 


Senhor Prefeito,

Fomos surpreendidos com o fato da Prefeitura de São Paulo programar publicidade em uns poucos jornais de bairro.

Normalmente, nos governos anteriores a regra correta era de inserir publicidade em todos os jornais de bairro, independente de serem veículos, que costumam criticar construtivamente a administração municipal.
É nossa intenção solicitar ao prefeito Bruno Covas e ao Secretário de comunicação municipal de São Paulo, Marcus Vinicius Sinval, qual foi o critério adotado nessa programação.
É sabido que todos os jornais de bairro são dirigidos pelos seus diretores, que amam muito o seu bairro e lutam para sua melhoria.
Todos os jornais de bairro gozam de muita credibilidade e esta credibilidade evidentemente se transfere para a publicidade neles inseridas.

Acrescente que todos os jornais de bairros sentiram fortemente as consequências desta pandemia, que diminuiu em mais de 80% a sua publicidade, já que seus anunciantes, na maioria, são pequenas e médias empresas.

E uma distribuição da verba publicitária, de forma mais democrática, seria uma ajuda para que estes veículos continuem a circular e prestar serviços à sua comunidade.
Portanto, não se justifica que deixem de ser programados por critérios políticos, ou outros menos técnicos e suspeitos.
Assim sendo, solicito ao prezado Prefeito e ao Secretário de Comunicação que, na medida do possível, procurem corrigir esta falha e que todos os jornais de bairro sejam programados e não somente alguns.

Antecipadamente grato pela atenção, firmo-me,

São Paulo, 25 de setembro de 2020

Egydio Coelho da Silva

Presidente – presidente@ajorb.com

 

A Suas Excelência
Prefeito de São Paulo

Bruno Covas
(Com cópia para o Secretário de comunicação municipal de São Paulo, Marcus Vinicius Sinval)

São Paulo-SP

 

 

Manifestação de alguns colegas sobre essa falha:

Destaque São Paulo

Não sabemos os critérios adotados. O que sabemos é que à época do Sabino alguns que se diziam diretores da Ajorb foram até a SECOM para, inclusive com ameaças, tentar impedir que fossem veiculados anúncios em alguns vários jornais de bairro.

Tem gente se passando por diretor de entidade.
Fraude que deve ser contestada e que pode estar interferindo em desfavor de boa parte da categoria.

Portanto está passando da hora de se restabelecer a verdade.

De qualquer forma, o secretário Marcus Sinval nós já conhecemos da época do Kassab, e sempre fez vista grossa em relação à escolha dos veículos utilizados pela gestão municipal.
Não sei se ele se deixou levar, ou o próprio prefeito, por "conselhos ou sugestões", de pessoas que se arvoraram em diretor de jornal de bairro para prejudicar a maioria dos jornais de bairro.

Wilson Borges

 

Folha de Guaianases
Egydio boa tarde, dar conhecimento que não constamos na programação da publicidade da Prefeitura de São Paulo.

 

 

Impacto News

Prezado Egydio, Sobre a consulta de anúncio da Prefeitura, o último que recebemos foi em Abril de 2020. (Coronavirus)

César Borges (Impacto News)

 

Jornal Folha da Cachoeirinha

Prezado Egydio

É realidade o bloqueio de anúncios em vários jornais de bairros de SP até porque acompanho e sempre defendi os jornais de bairros como o elo a moradores no bairro.

Haja vista que a Prefeitura fez mais 12 anúncios em 2019 ate dois de uma só vez através da Lua propaganda em alguns jornais ligados a políticos diretamente e ate trabalham em gabinetes na Câmara municipal. Estes sim foram agraciados com anúncios da prefeitura.
Ligamos lá na Secom não temos informações necessárias tbm na agencia piora não falam nada manda pra Secom.

Durante uma reunião o ano passado sobre transparência promovido pelo depto foi levantado por nos aos seis subprefeitos que estavam presentes (qdo a pmsp tem verba faz anúncios em grande imprensa e qdo não, gostam de matérias de graça sobre os trabalhos realizados na região e falam que não tem verbas para publicação das matérias e querem de graça, sempre)
No  governo estadual tbm não nada de anúncios para os jornais de bairros ligamos na agencia diz não ha nada na Secom  não tem nada lá no palácio sendo todas as propagandas foram para tv.  DETRAN, Poupatempo.
Walter Herman

 

Jornal Gazeta de Pirituba


Bom dia caro Egydio.

NÃO RECEBEMOS, o que nos causa estranhamento.
A PMSP me excluiu dos anúncios faz mais de um ano.
Tenho veto do deputado Marcos Zerbine e do vereador Fábio Riva, líder do prefeito na Câmara. Enviamos jornais para a Tais, que passou para o Guilherme.

Mandamos e-mail para a Nova Sb e não obtivemos resposta.

Abraço

Grato. Paulo Eleutério

 

São Paulo de Fato

Não recebi. Precisamos reclamar contra discriminação.

Att.

Brás Pereira